Páginas

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Lagoa do Bacuri: um paraíso a explorar e preservar

Lagoa do Bacuri
A Lagoa do Bacuri é um dos mais belos cartões postais de Magalhães de Almeida, fonte de alimentos e água potável para os moradores da região. No entanto, seu potencial turístico ainda não está sendo explorado e suas margens estão sendo poluídas pelo lixo jogado pelos próprios moradores e visitantes. Mas o pior é a pesca indiscriminada, até mesmo na época da piracema, tornando a lagoa pobre em variedade de peixes. Isso sem contar com com a devastação ambiental, corte de árvores das margens e retirada irregular de areia para contrução civil.

O problema reside na falta de conscientização da população que mora às margens e depende da lagoa, mas que ainda não sabe cuidar desta riqueza natural. Os órgãos públicos também não têm atuado no sentido de educar a população para uso sustentável dos recursos da lagoa do Bacuri. Ibama, Colônia de Pescadores e Prefeitura têm se mostrado apáticos ao problema. Os fiscais do Ibama aparecem esporadicamentes na época da piracema. A Colônia de Pescadores também não trabalha a questão da preservação ambiental. A Prefeitura Municipal também não atua com políticas públicas para conscientização dos moradores.

No meio disso tudo uma boa notícia. Já começou a ser executado o projeto de um balneário na Lagoa do Bacuri. O projeto é finaciado pela Caixa Econômica em parceria com o Ministéro do Turismo e Prefeitura Municipal de Magalhães de Almeida. Espera-se, no entanto, que esse projeto traga benefícios para a população local e que não degrade ainda mais a nossa lagoa. É importante e essencial trabalhar o turismo, mas de forma sustentável e economicamente viável para a população que vive à beira da lagoa.